PROJETO APLICAÇÃO DO EXCEL NAS DISCIPLINAS DE INTRODUÇÃO Á ENGENHARIA QUÍMICA E FUNDAMENTOS DA ENGENHARIA QUÍMICA

Seja nos estudos, na indústria ou em qualquer outro campo de atuação do Engenheiro Químico, é imprescindível a utilização de softwares que auxiliam na resolução de problemas que envolvem uma extensa rotina de cálculos. Neste contexto, em conjunto com os professores das disciplinas de Introdução a Engenharia Química e de Fundamentos da Engenharia Química, o PET desenvolveu um projeto de ensino com o objetivo de proporcionar o primeiro contato dos alunos de primeira e segunda séries do curso de Engenharia Química com ferramentas computacionais. Deseja-se que ao final do período letivo os graduandos dominem as estratégias básicas de resolução de exercícios utilizando o Excel, que posteriormente será necessário em outras disciplinas do curso.

  As disciplinas de Introdução a Engenharia Química e de Fundamentos da Engenharia Química abordam os conteúdos de balanço de massa e energia, que são fundamentais para todas as outras disciplinas que os alunos irão cursar ao longo da graduação. Comumente, após a exposição dos conceitos envolvidos em cada tópico, o professor exemplifica a aplicação destes conceitos por meio da resolução de exercícios em sala de aula. Quando o problema estudado envolve poucas variáveis, o tempo de resolução não é grande, permitindo que o problema seja resolvido apenas com o uso de calculadoras. Porém, nas disciplinas mais avançadas e na futura vida profissional do engenheiro, o número de variáveis envolvidas nos problemas estudados é significantemente maior. Nestes casos, a resolução utilizando apenas calculadoras fica praticamente inviável em função do tempo que demandaria e faz-se necessário o uso ferramentas mais completas, como softwares que agilizem os cálculos.


PROJETO COCAMAR

O PET-EQ estabeleceu uma parceria com a COCAMAR a fim de realizar um estudo de otimização da matéria prima para produção de fios, no caso, o algodão. O problema em questão é a caramelização do açúcar presente no algodão em pluma na planta de fiação da empresa. Os petianos então realizaram uma  revisão bibliográfica, para então iniciar a investigação de formas eficientes e quantitativas para determinar a quantidade de açúcar presente nas amostras de algodão e  possíveis meios de diminuir o efeito da caramelização durante o processamento dos fios. Por meio do trabalho, objetiva-se reduzir os prejuízos durante a produção e aumentar a produtividade bem como a qualidade da matéria final.

A pegajosidade do algodão, característica determinada pelo índice de caramelização, é um fenômeno decorrente da impregnação de açúcares à fibra do algodão, podendo acarretar importantes perdas em eficiência na fiação. Dentre os fatores que influenciam a taxa de açúcar encontram-se: variedade, área de plantio, infestações e sazonalidades, sendo as causas mais frequentes a impregnação de néctar de plantas e excreções de insetos (Mosca Branca e Pulgão) à superfície da fibra e o esmagamento de sementes nas etapas de colheita e descaroçamento (beneficiamento). Quando a indústria têxtil compra um algodão com alto índice de açúcares está sujeita a quebras mais frequentes das fibras durante seu benefeciamento, aumentando o número de paradas no processo e, consequentemente, aumentando os custos de produção. Atualmente não existe nenhum método confiável para quantificar a caramelização de forma prática e objetiva, a fim de ter parâmetros de compras de safras de algodão menos contaminadas. Sendo assim, o projeto propõe que sejam estudados os indicadores e também possíveis novas formas de lidar industrialmente com o problema da caramelização, fazendo-o de forma que atenda à extensão desejada pelo grupo.

 


VISITA COAMO

No mês de maio o PET, em uma atividade de extensão, realizou uma visita á COAMO. Com a visita, os petianos e a gradução puderam correlacionar os conceitos adquiridos em sala com as práticas industriais, com as quais todos nós, futuros profissionais, iremos nos deparar quando formados.

A COAMO é uma cooperativa agropecuária com sede em Campo Mourão, no Paraná. É a maior cooperativa da América Latina com 115 unidades em 63 municípios dos estados do Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul. Em 2011, a Coamo completou 41 anos de atividades. É uma cooperativa forte que garante segurança e solidez nas relações com o seu quadro social, clientes e fornecedores, e que contribui para o desenvolvimento econômico, técnico, educacional e social dos seus mais de 24 mil cooperados.